Páginas

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Do fim, ao começo.

Flores espalhadas pelo campo,
O cheiro de saudade paira no ar,
Aquele perfume seu antigo,
No horizonte fito nunca mais...

Sensações que já senti tanto,
Que teimam em não ir embora,
E aquele sentimento prevalece,
Sempre me cercando à você...

Essa que ainda não toquei,
Que ainda não vi sorrir,
De uma saudade de saudade,
Do que ainda não vivi...

Uma reprodução quase teatral,
Cenas da minha vida que virá,
Onde somente eu e você
Somos os atores principais...

Como a nota de uma musica,
Sou você em sua doçura,
Tentando nestas entre linhas,
Saber mais de você...

Afinal, onde você está?

Estou aqui a te procurar,
Mande apenas um sinal,
Que abro a porta do meu coração,
E da minha vida, fará sua pousada...

Eternamente.


quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Sou de você antes de mim mesmo,
Sou dos teus abraços e afagos,
Sou das tuas noites fritas,
Sou a solução da tua tristeza,
Sou o verso do que falta na sua poesia,
Sou de você todo o sonho do mundo,
Sou teu em toda escrita e saudade,
Sou de ontem e viverei pela eternidade,
Somos de um tempo que não existe mais,
Sou de você até onde não saber mais,
Somos a essência do amor em nós,
Sou tem em cada segundo sozinho,
Sou teu nos meus devaneios,
Somos um universo de sensações,
Somos de tudo que pudermos,
Seremos sempre, nós, em nós!

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Simplicidade da vida.

A minha vida é simples,
Dois minutos de saudade
Aquele beijo inesperado,
Sorriso despretensioso...

Mãos dadas sem querer,
Abraço pra aquecer,
Troca de olhar sem saber,
Coração acelerado sem porque...

Frio (na barriga) no verão,
Boca seca debaixo do chuveiro,
Sensação boa de chocolate,
Abrindo os olhos sem saber aonde...

Sentar sob a areia,
Contemplar o horizonte,
Onde o relógio para,
E o tempo se torna coadjuvante...

No balanço da rede,
Em cada nota musical,
Em cada toque de carinho,
Gratidão por cada segundo que passa...

Pés descalços,
Segurança de quem nunca mais vai embora,
Onde a simples presença supre tudo,
E o amor é essa coisa gostosa de toda hora!



sexta-feira, 28 de julho de 2017

Desabafo do poeta.

O som da tua voz ecoa nos meus ouvidos,
A saudade de cada sorriso, de cada toque,
O beijo que me entorpecia, me congelava,
Cada nota daquela musica, sou você...

Como se voltasse no tempo,
Onde as dancinhas, as nossas comidas,
Aquelas discussões da madrugada,
Os carinhos que não tinham hora de acabar...

As horas deitados juntos,
Os filmes que chorei tanto, 
Aquela bela historia no cinema,
E como eu era antes de você...

Eu só queria uma oportunidade,
Só queria voltar no tempo uma vez,
Só queria que você viesse aqui,
Que você parasse nesse blog, por um instante...

Eu tenho vergonha de te falar,
Não sei como dizer, ou te procurar,
Sei que tudo mudou tanto, e queria tanto que soubesse,
Não sei como fazer, você não sabe mais nada de mim...

Sei que a saudade me condena,
Sou refém de um passado que não volta mais,
Me dói saber que essa historia passou,
E eu não posso e nem consigo mais te demonstrar...

Dos nossos passeios na praia, 
Das caminhadas no inicio, se lembra?
Quando perguntei se tinha certeza,
Quando eu disse que seria dificil...

Você prometeu que não me deixaria,
Me disse tanta coisa, me prometeu não ir embora,
Só queria que soubesse, do fundo do meu coração,
Que eu não consigo te esquecer...

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Nota de agora.

Eu quero sempre sentir essa saudade gostosa, quero sempre amar como a ultima vez, quero sempre viver agora como nunca mais, quero errar de tanto tentar, quero apaixonar todos os dias, quero dizer que te amo a todo momento, quero sentir todas as sensações do mundo, quero gritar quando sentir vontade, quero morrer quando estiver cansado de viver, quero renascer na minha poesia, quero ser do meu eu o mais intenso e visceral possível.
Quero ser tudo, mesmo parecendo ser nada!

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Entre as quatro paredes do meu coração.

Eu já fui muito pretensioso,
Pensei um dia dominar o mundo,
Acreditei que meu abraço,
Cabia em todos os pedaços de cada coração...

Tentei ser o mais forte, (academia que o diga)
Tentei ser o mais bonito (que preguiça lembrar das dietas)
Percorri caminhos talvez inalcançáveis hoje,
Me procurei em cada sorriso que vi...

Chorei de tanta exaustão,
Chorei de tanta gratidão,
Pedi tanto perdão,
Apanhei tanto, e bati tanto também...

Pensava que da vida eu já sabia,
Que onde trilhei já foi suficiente,
Imaginava que o mundo cabia na palma da minha mão,
Gritei de um lugar tão alto, que por pouco não cai no abismo...

Fui muitas vezes a pior parte de mim,
Aprendi que para o conserto, é necessário o sofrimento,
Que depois da tristeza vem a alegria,
Após toda a saudade vem o acalanto...

Hoje eu entendi que não sei ainda de quase nada,
Sou apenas um poeta meio bobo, atrapalhado,
Não sei ainda pra onde exatamente ir, será que é aqui?
Eu só tenho uma certeza, e essa me consola...

Tenho em mim todo o amor, dos vários que eu tive,
Fiquei com a melhor parte deles, e hoje sou tão saudade,
Que cada voz ainda ecoa, e em meio a tristeza,
Fiz da vida retratos, e do coração um enorme mural de retalhos coloridos.








segunda-feira, 17 de julho de 2017

Prelúdio a mulher e poesia.

Na minha nudez, pasmo
Fito sob a linha do tempo
Outrora de um agora que nunca existiu,
Pauso e forço na memória, lapso de mim...

O texto desconexo, a valsa sem um verso,
O vazio, no amago da minha poesia,
E as palavras hoje tão vagas,
São componentes, do meu texto autoral...

Porque foste ó tempo?
Me mergulhaste no mais profundo anseio,
E me tornaste escravo dos meus pensamentos,
Refugias em mim, à lira da minha poesia...

Do toque da mulher amada,
Daquela ainda tão minha, que foste perdida,
Não mais encontrada, mas tão desejada,
Perdão peço aos Deuses, que te levastes de mim...

E no pranto do poeta, das fotografias na estante,
Fico mudo por um instante, furto do tempo um minuto,
E faço de tudo o meu mundo, de tanto te querer,
Fazendo de ti em minha vida, o mais lindo do meu ser...


quinta-feira, 6 de julho de 2017

Nem sempre.

Eu já fiz tantas perguntas...

Já me senti tanto vitima...

Já fui tanto culpado...

Sou sempre tão cobrado...

Tão taxado, e infinitas vezes ignorado...

Poxa, eu tenho todos os sentimentos do mundo...

Que ecoam, berram, gritam muito dentro de mim...

Acordar agradecido, dormir amargurado...

É uma constante na vida deste poeta...

Eu não quero muita coisa (Que coisa?)...

Quero apenas versos de alegria...

Dinheiro para sobreviver com dignidade...

Humildade para reconhecer minhas falhas...

Humanidade para me tornar alguém melhor...

Uma outra alguém para caminhas junto comigo...

Muita resiliência para os momentos tempestuosos...

Muito amor para suportar as intempéries da vida...

E muita vida, para continuar vivendo...

Para os vários recomeços, depois dos ''fins''.


segunda-feira, 3 de julho de 2017

Saudade de ter você aqui comigo.

Ah, se eu pudesse voltar atras...

Se o tempo pudesse ser controlado,
Se as verdades pudessem ser mudadas,
Se todo meu erro pudesse ser consertado,
Cada palavra fora de lugar, sendo reposta...

Em todo esse tempo, tenho vagado
A sombra de mim mesmo, frio,
E cada novo minuto, lapsos daquele tempo,
Numa saudade que não sei onde colocar...

Quando vejo sua foto, quando lembro do seu sorriso,
Quando lembro das suas dancinhas na cozinha,
Quando me recordo das nossas musicas autorais,
Percebo que nada mais fez sentido, e sinto tanto...

Não sei onde te encontrar, te procuro todos os dias,
Tenho você em minhas preces, saio vagando por ai,
E tudo que eu queria era poder olhar nos teus olhos,
E pedir para recomeçar...

Eu me tornei refém de um tempo que não volta mais,
Mudei tanto, e você não esta aqui pra notar isso,
Queria te dizer tanto, queria ter tantas oportunidades perdidas,
Me perco todos os dias quando lembro do teu cheiro, do teu abraço...

Tudo que eu queria era você aqui agora comigo,
Não sei onde anunciar, não sei onde mais gritar a tua procura,
Passei em tantos lugares, tento seguir pelo teu perfume,
Mas sempre acabo sozinho no mesmo lugar...

Essa casa fria sem você gela meu coração,
Me faz ver o céu sempre cinza, sem graça,
Pois de todas as graças, de tudo que eu sempre tive,
Toda a minha alegria vinha de você...

Eu espero que um dia você leia,
Que um dia você volte e apareça,
Estarei sempre aqui, todos os dias, em todas as horas,
Ansioso, esperando você retornar...

(E o poeta acorda, olha pro lado, e não vê ninguém...)

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Me peça pra ficar,
Ou mande eu sair daqui,
Mas se me deixar ficar,
Ah (suspiro...uma pausa)
Seus dias serão de eterna primavera.

domingo, 4 de junho de 2017

Coração vazio,
Vida sem propósito,
A felicidade não é singular,
Se engana quem quer viver sozinho,
Pois não existe nada melhor,
Que um amor correspondido!

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Quarta de frio e saudade.

Chegando tarde em casa,
Cansado, mais um dia de trabalho,
Sem muito animo, nem preparo o jantar,
Só penso em ouvir musica e relaxar...

Nat King Cole, um pouco do frio,
Acalento ao meu coração,
Cada nota musical, um sorriso,
E a memória, nostalgia e saudade...

Não sei muito ainda do que é ser,
Tenho vivido intensamente,
E as vezes até erro em tanto,
Entretanto, em riscos, nos corrigimos...

Pode ser um devaneio,
Eu ainda não sei direito,
Mas, vou aguardando minha outra parte,
Ansiando sua hora de ''chegar''.




segunda-feira, 15 de maio de 2017

Carta para mulher amada. (que ainda não conheço)

Eu quero ser o melhor de mim,
Quero te dar o melhor que existe em mim,
Espero poder corresponder ao que me espera,
Quero ser o que nunca fui, porque ser é agora...

Não sei onde você está,
Te procuro a tanto tempo,
Pelas ruas tento ver você, na fila do pão,
Nos terminais de ônibus, sempre te procuro...

As vezes bate aquela angustia,
Aquele cansaço de tentar, medo de ser feliz,
Mas, a saudade de ter saudade do que não tive,
Me faz persistir, e recomeçar a cada manhã...

Quero poder fazer seu café da manhã,
Poder cultivar rosas no nosso jardim,
Uma rede balançando no entardecer,
Você no meu colo, com apenas o som do mar...

Furto do tempo estes momentos,
Que ainda nem vivi, mas anseio muito viver,
E na escola da vida, vou me graduando pra ter você,
A aceitação e condição começa onde não conseguimos ver...

Não quero te atrair pelo que é visto,
Nunca quis dinheiro, nunca quis ser ''bonito'',
Me preocupo com a essência, em regar as plantas do jardim,
Em poder no fim da vida ter a certeza que fiz o que pude...

As pessoas são superficiais demais,
Talvez por isso você tem demorado mais,
O trivial não me atrai, a curva bonitinha do corpo muito menos,
Com o tempo aprendi o que é descartável...

E da mesma maneira tenho entendido o que realmente importa,
O valor da simples presença, do toque, do carinho, do abraço,
Das mãos dadas sem ter hora de partir, do cobertor quentinho,
Das risadas sem sentido, embora nelas hà mais sentido que tudo...

Não sei quando você vai ler isso, ou quando isso vai ser pra você,
Mas tenho te aguardado a muito tempo, tentando, aprendendo,
Escancarando as janelas do meu coração, não para o que é novo,
Mas sim, para o eterno...

Até breve.


quinta-feira, 11 de maio de 2017

O que alimenta este blog hoje pede pausa para o amor e a poesia.

Hoje é um dia de profunda tristeza.

LUTO!

terça-feira, 2 de maio de 2017

Saudade daquilo que passou.

Hoje na porta do Marista,
Me lembrei tanto de você,
Que meu coração parou,
Junto dele o tempo,
Voltei ao passado,
E deu tanta saudade,
Daquilo que passou...

terça-feira, 25 de abril de 2017

Tres meses de saudade.

É triste e eu devo admitir
Percorri longas distâncias neste tempo,
Mas ainda sinto tanto a sua falta...


Queria só voltar no tempo,
Fazer ser tudo diferente,
E esquecer daquele dia...


Aquele sete de fevereiro,
Não me sai da memoria,
E de tanto tentar esquecer...


Tenho quase morrido de saudade.

terça-feira, 18 de abril de 2017

A vida pela janela dos meus olhos.

Através dos meus olhos,
Veja escancarada a janela,
Que leva direto a minha alma...

Que grita, onde a voz ecoa,
Onde o tempo não existe,
Um lugar onde só mora a saudade...

De um jardim florido,
Rosas cobrindo a planície,
E o coração cheio de sensações...

De longe sempre algum som,
Musicas me embalam na alvorada,
Que faz de mim, mais sonhos que poeta...

Dos meus olhos, 
Uma vida sem fim,
Onde eu me permito sempre, amar...

E pelos meus olhos,
Vejo parte do que um dia,
Serei completo!



domingo, 26 de março de 2017

Domingo de Bossa Nova.

Minha valsinha sem pretensão,
Fogem as notas dos versos,
Eu sem texto, finjo de poesia,
Pra matar um pouco da saudade...

sábado, 25 de março de 2017

Algumas partes de mim.

Tentei pensar na melhor escrita,
Nos versos corretos,
As palavras bem encaixadas,
Mas é pra falar de mim...(risos)

Eu sou torto, desconexo,
Sou louco, e perco o verso,
Choro sem sentido, por sentir,
Sinto tanto, que quase morro de saudade...

Sou chato, faz parte do meu ser,
Falo demais, sou repetitivo, me acho as vezes,
Mas na maioria das vezes, me vejo perdido,
E me procuro sempre aqui, nas minhas poesias...

Sou solitário, incompreendido, lunático,
Cismo que sou poeta, que faço uma boa comida,
Penso que vivo por amor, mas quer saber?
Eu vivo mesmo...(mais risos)

Eu não to nem ai para o que os outros pensam,
Na verdade a minha vida é fazer poema,
Posso ser pobre de dinheiro,
Mas durmo e prevaleço no meu palácio de sentimentos...

Não sou o mais bonito, sei que sou fora do padrão,
Vivo fugindo da academia, meu lugar é no fogão,
E honestamente, eu amo cozinhar, adoro ouvir musica,
Mas, mais do que isso, gosto de fazer alguém feliz...

Seja pelo meu feio sorriso, seja pelo meu gesto,
Ah, meu gesto, muitas vezes incompreendido, (pausa)
Por tantas vezes julgado, de logo quem eu mais amava,
Mas hoje agradeço, porque sei que não mereço, só amadureço...

Sou varias partes de tudo que eu vivi,
Sou tão grato, que não preciso de mais nada,
Não quero mais grana, não quero mais gana, não quero mais ter,
Ja quis muito o poder, e hoje posso ter tudo, mesmo sendo um nada...

O que ofereço pode ser pouca coisa,
Enxergar é bem diferente de ver,
Mas pouco importa, porque o que me importa, esta guardado,
E sei que uma hora, em algum momento, vai chegar.,.

Sou do tempo, da musica, da poesia, da saudade,
Sou do nunca, do agora, do amanhã, de sempre,
Quero ser sempre, muitas partes de mim, por tudo que sou,
E quero ser, o melhor que eu puder, para mim...e pra você!





terça-feira, 21 de março de 2017

Terça de bossa.

O frio que inspira, 
A musica que aquece,
O coração que entorpece,
De poesia e saudade...

Aquela bossa travessa,
Do Dick sem pressa,
Que me leva nas ondas,
E vou até o Rio de Janeiro,

Hoje é 1946,
Dorival escrevendo Marina,
E eu, na valsinha sorrindo,
Numa cena banal...

De tantas formas poéticas,
Ah, por favor (pausa)
Não me faça promessas,
Que sou um tolo poeta.

Minha vida de retalhos.

Tudo que me cerca vive,
As cores se movem,
O jardim que respira,
A tristeza no concreto...

Vida que não cabe em mim,
Talvez algumas existências,
Ou na pausa do tempo,
Do relógio que conta pra trás...

O não saber de muita coisa,
Da relação com o nada,
Com a falta de necessidades,
Aquele súbito desejo particular...

Busca real da minha verdade,
A cada novo verso, curvo entrelinhas,
Palavrinhas de saudade com saudade,
E diversas poesias ''repetidas'''...

A razão de ter razão, por estar aqui,
Consiste no mais vivo que existe em mim,
De todas as formas e variáveis possíveis,
Entre todas elas...

Eu,
Sou,

Amor...

quarta-feira, 15 de março de 2017

Meu grito de liberdade.

Meu grito ecoa!

Sou totalmente fora dos padrões.

Ser tem sido desafio...

E até na minha ortografia,

Ser eu tem sido dificil!

Porque tudo o que os outros querem,

É que eu não seja,

Mas que saber?

Sou tanto, que não me conformo,

E até a minha poesia...

Vai ser meio sem forma,

Provocadora,

Quem sabe assim você para...

E começa a pensar,

E também lutar,

Pela sua liberdade.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Meus versos, secos...

E por tantos caminhos, 
Me enrolei, me perdi, me encontrei,
Na ciranda das bailarinas,
Sendo sempre, baita intensidade de mim...

Te procurei em muitas pessoas,
Em mim mesmo, nas minhas poesias,
De te produzir tanto, você se foi,
E ainda não sei onde te achar...

Quando me foi concebida a vida,
Voce estava ali do meu lado,
De braços dados, sem querer ir embora,
Mas eu teimoso, deixei, e agora? Onde voce esta?

Ja te imaginei tanto, de varias formas,
Em tantas pessoas, que nossa... (pausa)
Tem horas que penso (cansei)
Mas minha teimosia não me deixa parar...

Sei que vou te encontrar,
Procuro a mim mesmo, desde sempre,
E o fim da minha busca, 
Sei que se resume em você...

Não sei onde, nem quando,
Pensei tanto, chorei tanto,
Quebrei tanto a cara pensando,
E olha que quase tive certeza que era você,

Vamos facilitar as coisas,
Apareça, me traga (eu) de volta,
Me permita a felicidade,
Porque de tudo, eu só quero repousar...

(em teus braços)


quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

18 de janeiro...

Fui por muito tempo você,
Nas entrelinhas, nos poemas,
Nos meus versos de saudade,
Até nos erros, fui você...

Fizemos parte de tudo,
Um mundo todo, só nosso,
Brincavamos de criança,
Eu te embalava no meu berço,

Sempre tinha chocolate,
A comida sempre na mesa,
Nem agua voce pegava,
Eu fazia tudo com amor...

Mas a vida é assim,
Você não olhou pra mim,
Só viu o que eu tinha de pior,
E no fim, me humilhou tanto...

Um amor, que se dizia verdadeiro,
Quando posto à prova,
Fui ouvir que ''cansou de perdoar'',
Como se o amor tivesse prazo...

Hoje, olho para frente,
Me valorizo, e tenho até sorrisos,
A vida nos revela o que tem de melhor,
E com a graça, nos faz recomeçar...

E agora vou esperar,
Aquela a quem vou sempre amar,
E terá todas as minhas poesias,
Até o fim, muito alem dos meus 31 anos.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Meu relógio, e o tempo.

Hoje em casa, ouvindo Nelson Gonçalves,
Me trouxe a memória de um tempo,
Onde eu via, meu avô sentado na sala,
Era domingo, ele tomava seu vinho do porto,

Aquele bolero que eu ainda não entendia,
O cheiro de comida gostosa que minha vó fazia,
Seu Natalício imóvel, apenas fitando a janela,
Parando o relógio, um preludio à saudade,

Me contava as histórias,
De uma Belo Horizonte hoje tão distante,
Num tempo onde o tempo, era mero acaso,
E a vida, intrínseca, era o que valia,

Rompendo as dimensões, no espaço,
Volto eu sempre que posso, 
Por segundos sento naquele sofá e recordo,
Que da vida, só tenho o tempo e meu relógio. 

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Meus 31 anos de saudade.

É inconcebível pensar,
Minha vida sem saudade,
Faz parte da peça,
E não me faça promessa...

Sou um pouco de tudo (de todos),
Toda parte da minha vida,
Sou esboço da minha história,
Que se torna uma palavra...

Todo sofrimento é muito, pouco,
Tentando tanto, entretanto,
Sempre vendo aquela foto,
Que nunca saiu daquela estante,

Pra mim a vida é assim,
Tudo muda, num lapso de instante,
E eu torto, desconcertante,
Abro a janela da minha vida, fito horizontes,

Que me levaram a tantos lugares,
A tantos sentimentos mudos,
Por tantos caminhos que pensei ser sem fim,
E que me levaram sempre ao mesmo lugar...

Minhas poesias reproduzem em versos,
Fragmentos da melhor parte de mim,
Onde o coração fala, grita, berra, escancara,
E me torna um, entre tantos, e em tantos,

Anos de saudade...

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Meus votos, da minha vida.

Olha, não posso te prometer muito
Sabia que quando fico tenso gaguejo?
É assim, meio de lampejo,
Espero que se acostume...

Não tenho aquele fisico invejavel,
Mas se voce gostar de um bom tropeiro,
Podemos sim, fazer sem medo,
Sem ter hora pra acabar...

Sou um pouco chato, reconheço,
As vezes minto e nem percebo,
Talvez seja mal de mineiro,
Falo tanto que até me perco...

Tenho ansiedade, melancolia,
É terrivel, e nem eu sabia,
Que nos dias tristes, é tanto triste,
Que eu sou um poço de saudade...

Sou meio orgulhoso, mal de familia,
As vezes não dou o braço a torcer,
Mas tenha um pouquinho de paciencia,
Que logo passa e sou todo de você...

As vezes posso fazer cara fechada,
Faço bico e não ouço nada,
Mas se abrir o meu sorriso,
Sou seu mundo de carinhos...

Posso não ser o melhor de todos,
Mas sou poeta, um cara novo,
Tenho muito o que aprender,
Cê só precisa entender...

O que posso prometer,
É que sou seu, sou só de voce,
Não precisa ter ciumes,
Sou apenas um cara que fala muito...

E que da vida nada se leva,
Só uma coisa interessa,
O amor de todo o (meu) mundo,
Que será sempre de você...