Páginas

quinta-feira, 30 de abril de 2009

Que cansaço!

Vontade de estar
em casa repousar
ler meu livro e jantar
de mãos dadas cochilar
cobrindo os pés e amar
acordar e continuar
essa vida louca caminhar,
sistematicamente cansado.

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Preso.

Marco meus passos
fujo de mim mesmo
sempre deixando rastro
toda vez que me liberto
encontro meus passos
e sem saber porque
os sigo novamente
no final do caminho
me encontro novamente
um vicio sistematico
fujir de mim mesmo
mesmo sabendo que no fim,
sempre termino assim
preso em mim.

terça-feira, 28 de abril de 2009

A loucura capital.

Quatro horas da tarde
um dia tenso e febril
preso nessa sala eu berro
escancaro minha vida em versos,

Tudo de certa forma abala a minha racionalidade
quanto mais tentamos ser coesos, mais somos burros
e quanto mais eu falo o tempo suga a minha paz barata
e eu condenado pelo sistema a viver enclausurado aqui,

Quatro horas da tarde
um dia tenso e febril
preso na sala eu berro
escancaro minha vida em versos,

O Obama não ta nem ai pra mim,
eu pago imposto, fico sem nenhum no bolso,
mas e ai?

Os meus dentes estão caindo, e a minha visão éscurecida
o individualismo é retratado até mesmo nos mais belos versos
o capitalismo aliena e cria em nós, chacais sistematicos
prontos para atacar, é só mexer nos nossos bolsos e...Pá!

Quatro horas da tarde
um dia tenso e febril
preso na sala eu berro
escancaro minha vida em versos,

Eu preciso de psicanalise, acho que estou ficando louco
porem para ir a um psicanalista preciso pagar,
para comprar um remédio e curar eu preciso pagar,
tudo ao meu redor é pago por mim, ainda que indiretamente,

Este sistema enlouquecido,
suicidas potenciais,
a minha hora esta chegando,
apenas tenho que atirar...

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Cru-el- ''mente''.

Sobriamente entorpecido
apaixonadamente enlouquecido
o segredo de ser é estar presente
na ausencia do meu ego enciumado
desejando todas as rosas do jardim
lutando contra o silencio que grita
e a nitidez se torna abstrata
de acordo com a sequencia dos versos
e a alma cega que sente o suor
o filtro da vida diante de mim
naquele lapso de instante,
suicidou.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Breu.

A beleza nua e crua de uma tela não muito conhecida
tudo a minha volta é abstrato e silencioso, nada
meninas de vestido rendado, contemplando a melodia
e a minha poesia que é cega, caminha a passos lentos
a vida que transmuta em poucos segundos neste espaço curto
toda uma jornada transcrita em um pedaço de papel de padaria
tudo sempre é meio assim ''improvavel'' e ''inconstante''
o primeiro a chegar a bilheteria, ocupando o primeiro lugar na fila
mas ainda sim não sendo o alvo principal no texto biográfico do poeta
e meu corpo que exala amor e juventude, alegria e tristeza
um globo variado de sentimentos brutos, crus e escuros
e a contradiçao habita em tudo que escrevo, e os conflitos nunca terminarao
o poeta é assim mesmo, pobre homem rico em palavras sem chão
que caminha nu em meio a solidão, debutando o amor em prosa e verso.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

É assim.

De tudo um pouco, a união
que enfim se fez presente
nesses anos que se passam
deste tempo que se foi,

Sempre assim meio melancolico,
não se incomode meu bem
eu sou assim...

A brisa no final do dia traz consigo
a serenidade e a alegria de tudo que é hoje
e a saudade de ontem ter sido bom
porem nao melhor que hoje,

E eu sempre assim meio melancolico,
mas não se incomode meu bem
eu sou assim...

E a fera que se liberta de mim ao anoitecer
e grita, ecoando aos quatro cantos o desejo de viver
a necessidade de amar e ser correspondido sempre
da minha forma dupla e ensandecida,

E eu ainda continuo assim melancolico,
mas como disse antes nao se incomode meu bem,
porque eu sou sempre assim

E neste canto poetico recolho os meus cacos
pedacinhos de vida que morrem a cada fim de dia
aumentando em mim a minha nostalgia
mas deixando comigo as lembranças e saudade da saudade,

Eu sempre melancolico meu bem,
nao se incomode eu sou assim sempre,
é assim.